segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Porque sim!


É Natal e isso não é bom.
No Natal é sempre a mesma coisa, mamãe corre de uma lado para o outro enquanto papai fala por horas que ela é desesperada e por ele ficaríamos em casa e não iríamos na casa da vovó porque ela é uma velha resmungona. Papai também não gosta da tia Verônica porque ela sempre passa a noite de Natal chorando por causa de algum namorado. Mas mamãe não liga para isso porque é Natal e Natal é dia de ficar com a família. "Nós somos sua família." grita papai, mas mamãe não liga.
Como em todas as festas de família, sou obrigada a colocar um vestido todo apertado e nada confortável. Depois, quando quero brincar, todos ficam berrando "Se comporte como uma mocinha, menina", "Olha os modos", "Não seja um moleque". Eu bem queria uma calça, mas calça de moletom, esses jeans não me deixam brincar direito.
Enquanto papai sai batendo a porta minha irmã grita no corredor "Mãe, eu não tenho nada pra vestir, não vou mais". Mamãe grita dizendo que vai mesmo deixá-la se não ficar pronta para a ceia. "Mamãe, por que no Natal falamos ceia e não jantar?" pergunto muito curiosa ao que ela apenas responde "Porque sim, meu amor". Porque sim.
Estou procurando uma tesoura no quarto dos meus pais quando papai entra e pergunta o que estou fazendo lá e por que não estou me arrumando "Já to pronta. Papai, por que no Natal falamos ceia e não jantar?" pergunto para não contar o que estou fazendo. "É tudo a mesma coisa, querida." ele responde procurando uma roupa. "Então porque falamos ceia só no Natal?" insisto, "Porque sim, querida." Porque sim.
É Natal e o laço do vestido me aperta, não consigo encontrar a tesoura para cortar isso aqui.
"Sai da frente, pirralha." minha irmã me empurra para fora do seu quarto e bate a porta.
"Não fale assim com sua irmã, mocinha." grita mamãe de algum lugar da casa. "Ahhh" grita minha irmã do quarto.
O telefone toca e eu atendo. É vovó perguntando a que hora vamos chegar porque ela está com muita fome e não é obrigada a esperar a vontade dos meus pais. Ela nem espera um adulto atender, apenas fala tudo isso, diz que me ama e que papai noel levou um lindo presente para mim em sua casa, depois desliga. Eu sei que papai noel não existe, estou surpresa por vovó ainda acreditar nele.
Quando finalmente chegamos à casa de vovó é aquela bagunça de sempre, pessoas apertam minhas bochechas como se eu fosse um bicho de pelúcia, minhas tias me dão beijos babados na bochecha enquanto falam "Nossa, como você cresceu, Alice. Está uma moça." e perguntam para minha irmã sobre os namoradinhos.
É Natal e esse vestido vermelho não me deixa respirar, mamãe disse que é só manha, mas não é. Ela diz isso porque não está dentro dessa coisa apertada.
"Vovó, por que a cor do Natal é o vermelho?"
"Por causa do Papai Noel, minha flor!"
"E por que o Papai Noel usa vermelho?" não quero desacreditar a vovó, foi muito triste quando eu descobri que o Papai Noel era, na verdade, meu papai.
"Porque sim, minha flor!". Porque sim.
Mamãe avisa que irá servir a ceia, mas não sei como posso comer com esse vestido. Vou até o quarto da vovó e procuro sua caixa de costura. Finalmente encontro uma tesoura e posso cortar esse laço apertado.
É Natal então, quando volto para a sala, sei que é normal ouvir o grito de mamãe e o riso de papai. "Alice, o que fez com seu vestido?"
"Cortei, mamãe."
"Por que, Alice?"
"Porque sim, mamãe, porque sim!"

Jéssica de Paula

4 comentários:

  1. GENTE, m-e-l-h-o-r conto de Natal que já li! <3 Achei tão legal uma menininha narrar (e adorei o fato de você usar a linguagem dela, de criança). No começo, me lembrou meus contos da Amélia, mas percebi que esse seu é muuuuito melhor! Você arrasou, Jessi! Ficou muito autêntico e engraçadinho! O final, então! AMEI!

    Love, Nina.
    ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha, obrigada Nina, sua linda.
      Mas eu tava já com vontade de criar uma personagem fixa no blog (que nem sua Amélia, que está sempre lá) e faz algum tempo que escrevi um texto narrado por uma criança e decidi fazer esse conto com ela de novo >.<

      Excluir
  2. Vim através da publicação da Nina lá no facebook, fiquei muito curiosa e tive que visitar aqui para continuar a leitura. E nossa, como a Nina mesmo disse aí em cima, foi o melhor conto de Natal que já li, também! Foi perfeito desde a narração até o final!! Incrível, eu adorei!! Parabéns!

    ResponderExcluir

Espero que tenha gostado do post e sinta-se à vontade para dar sua opinião aqui e voltar sempre que quiser. Pode também deixar o link do blog para que eu e outros leitores possamos conhecer um pouco de você.
Muito obrigada pela visita <3